Empregado acusado de ladrão injustamente recebe indenização


Novidade!!

Agora você pode tirar sua dúvida perguntando diretamente a um Advogado Online, clicando aqui.

Um empregado tachado de desonesto conseguiu comprovar na Justiça do Trabalho que a acusação foi injusta e que teria sido forçado a pedir demissão. De acordo com o trabalhador, ele foi alvo de juízos de valor de caráter depreciativo, tendo sido divulgadas várias acusações infundadas ao público em geral. Diante disso, a juíza Rosa Dias Godrim, em sua atuação na 3ª Vara do Trabalho de Montes Claros, deferiu ao empregado uma indenização por danos morais, no valor correspondente a dez salários mínimos.

A magistrada apurou, a partir da análise da prova oral, que o pedido de demissão foi imposto ao trabalhador, não retratando sua livre manifestação de vontade. E que, muito embora apontado como desonesto e ladrão pelo empregador, em razão do exercício de suas funções de operador de caixa, a acusação não foi condizente com a conduta profissional do empregado, além do que esta imputação espalhou-se para outras lojas da empregadora.

A juíza destacou ainda que o princípio da continuidade da relação de emprego constitui presunção favorável ao empregado, nos termos da Súmula 212/TST. E que no caso, apesar de ter havido homologação da rescisão na Delegacia Regional do Trabalho, ficou demonstrado que o pedido de demissão formulado e assinado pelo reclamante não representava a sua real vontade. Era, pois, inválido, pelo vício de consentimento.

Empregado acusado de ladrão injustamente recebeu 10 salários mínimos de indenização

Empregado acusado de ladrão injustamente recebeu 10 salários mínimos de indenização

Ressaltando que a reparação decorrente do dano moral ou material encontra previsão nos artigos 5º, inciso X e 7º, inciso XXVIII, da Constituição Federal, e, especificamente nos artigos 186 c/c artigo 927, do Código Civil, a magistrada deferiu ao empregado indenização no montante de R$6.220,00, correspondente a dez salários mínimos. Para tanto, conforme registrado, ela levou em consideração o caráter pedagógico da medida e a extensão do dano, frisando que a indenização jamais pode se constituir numa forma de riqueza para quem a recebe e também não pode ser irrisório a ponto de não fazer diferença para quem paga.

Não houve recurso por parte da empresa, mas apenas do empregado, postulando a majoração do valor da condenação. Mas o Tribunal de Minas manteve a condenação, nos termos em que deferida.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social

Subsecretaria de Imprensa

imprensa@trt3.jus.br

 

Compartilhe:

Faça sua pergunta:


One comment

  • Trabalho numa padaria como ajudante de padeiro a 6 meses e neu chefe nao deposita meu fgts e além de ajudante de padeiro faço outros serviços como entrega , depositos em banco etc.. Tudo que faço ele desconta do meu salario e dos outro dois funcionaros nao temos nenhum beneficio com sexta basica nem almoço nao podemos comer pao que e descontado no fim do mes ele so da algo pra nos comer quando vence a validade eu e o outro ajudante somos humilhado constantemente as vezes some 1 ou dois pao ele grita com nois e fala que estamos roubano ele fomos chamado de ladrão umas trez vezes somos vigiado por cameras constantemente nao podemos nem abrir a boca pra conversar que ja somos chingado ele falou se nao ta bom pede a conta ou se nao ele vai dar advertencia ate dar justa causa nao sei o que faço ninguem esta satisfeito trabalhando la sera que podemos pedir demiçao por justa causa? Como proceder obs: esses dia tinha pao de hamburguer estocado e mofou 8 pão ele gritou comigo e falou que dia 5 vai descontar de mim nas entregas se falta 5 centavos ele desconta do pagamento e um absurdo o que devo fazer ???

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *